AMS dating forensic samples

Datação por Radiocarbono – Uma Ferramenta em Investigação Forense

Tamanho de amostra recomendado (É possível fazer a análise de amostras menores – Por favor entre em contato conosco para maiores informações)
Ossos – 2 a 10 gramas (ossos queimados), 2 a 4 gramas (ossos cremados e não-aquecidos), 1 a 5 gramas (ossos carbonizados)
Dentes – de 1 a 2 dentes humanos
Cabelo – de 20 a 50 miligramas
Recipiente recomendado
Saco plástico com fecho, estilo Ziplock (embrulhar amostras pequenas em alumínio para evitar esmagamento durante transporte)
Recomendamos que o envio das amostras seja realizado em pequenas caixas sempre que possível (em vez de usar envelopes) para proteger a integridade física das amostras.
No caso de outros materiais, favor consultar o laboratório para saber a quantidade adequada de amostra.

Peritos forenses usam a datação por radiocarbono para estabelecer se uma pessoa faleceu recentemente (talvez como parte de uma investigação do Departamento de Justiça) ou no ramo de antiguidade (uma questão para os arqueólogos). Eles fazem isto usando algo chamado “Carbono Bomba.”

Carbono Bomba, Um Marcador para Estudos Recentes

Organismos vivos assimilam radiocarbono da atmosfera. Num dado momento, os níveis de radiocarbono de organismos vivos e da atmosfera são idealmente semelhantes. A proliferação de testes termonucleares na atmosfera desde o início da década de 50 até o ano 1963 acrescentou vastas quantidades de radiocarbono artificial (carbono bomba) na atmosfera, aumentando os níveis globais de radiocarbono em quase 100%, em comparação com os níveis existentes antes da década de 50.

O Tratado de Proibição Parcial de Testes (TPPT) foi firmado em 1963 pelos Estados Unidos, Reino Unido e União Soviética. Através dele, foi acordado que os testes com armas nucleares não seriam mais realizados acima da superfície do solo. Desde então, o nível global de radiocarbono da atmosfera diminuiu através da absorção do mesmo nos oceanos e sistemas biológicos – ex. a década de 70 apresentou níveis mais altos de radiocarbono no ar do que na década de 90. O mesmo ocorreu com indivíduos que faleceram durante esta época.

O Que a Datação por Radiocarbono Pode Fazer Rotineiramente

– Identificar se uma pessoa estava vivendo depois de testes de armas termo-nucleares

– Ilustrar quando (em qual década) uma pessoa viveu/faleceu em circunstâncias especiais

O que a Datação por Radiocarbono Não Pode Fazer Rotineiramente

– Dizer a idade de uma pessoa

– Determinar o ano de falecimento de uma pessoa

Obs: Algumas publicações indicam que o radiocarbono pode ser usado para determinar a idade aproximada de uma pessoa através da comparação de dentes com ossos. Além disso, o uso de assinatura de radiocarbono dentro de ossos trabeculares, ao contrário de ossos corticais, tem sido citado como uma forma de identificar qual lado da curva de bomba a pessoa viveu (antes ou depois de 1963).

Tópico Relacionado:

Datação por EMA de Ossos e Dentes