COVID-19 Notice: The lab is currently operating as usual and following the safety recommendations from the government in Florida. We will continue to monitor the situation closely to ensure employee safety.

Due to these unprecedented times, the situation may change at any moment, and we encourage you to contact us before sending your samples so we can recommend you the best way to proceed.

AMS dating peat

Datação por Radiocarbono de Turfa

Tamanho de amostra recomendado (É possível fazer a análise de amostras menores – Por favor entre em contato conosco para maiores informações)
   3 a 100 milligramas (para o AMS)
Serviços de datação por carbono
   AMS Standard – resultados reportados em 14 dias úteis ou menos
   AMS Priority – 6 dias úteis ou menos
   AMS Time Guide – 2-3 dias úteis
Recipiente recomendado
Saco plástico com fecho, estilo Ziplock (embrulhar amostras pequenas em alumínio para evitar esmagamento durante transporte)
Recomendamos que o envio das amostras seja realizado em pequenas caixas sempre que possível (em vez de usar envelopes) para proteger a integridade física das amostras.
Favor consultar o laboratório antes de enviar suas amostras de turfa.

Obs – As taxas incluem medições de d13C, relatórios de garantia de qualidade, calibração de calendário quando necessária, acesso eletrônico permanente a resultados anteriores e análises em andamento.

O pré-tratamento – Entre em contato conosco para discutir a natureza do seu objectivo de investigação para assegurar o pré-tratamento mais adequado é aplicado à sua amostra de turfa. Você está convidado a contactar-nos após o pré-tratamento para discutir as opções para datação na folha de dados.

Amostras Molhadas – As turfas podem ser enviadas em estado úmido ou seco, de acordo com o que é mais conveniente ao cliente. Geralmente, o laboratório prefere que as amostras estejam úmidas, uma vez que isto pode facilitar a extração de macrofósseis. Recomenda-se o envio de 50 a 100 milligramas de amostra ao laboratório (peso aproximado da amostra seca), mas isso nem sempre é necessário. Ao enviar amostras molhadas ou congeladas, retire a água excedente e, em seguida, envolva-as em um filme plástico para limitar o contato da mesma com o ar. Coloque-as em uma sacola com fecho e envie-a ao laboratório.

Entre em contato conosco antes de enviar suas amostras para que possamos fazer um levantamento inicial e informar se você tem uma quantidade suficiente de amostra para a datação por radiocarbono.

Amostras de turfa são periodicamente enviadas para a datação por radiocarbono. Elas costumam ser compostas de uma grande variedade de materiais, que vão desde (1)sedimentos muito finos e ricos em matéria orgânica (turfa limosa ou sedimento orgânico) com muito pouco ou nenhum macrofóssil vegetal, (2) restos de plantas muito fibrosas e resistentes (sementes, pedaços de carvão, juncos e hastes) com muito pouco limo. Muitas vezes, a turfa é composta por restos de plantas em decomposição não identificados e que são essencialmente uma mistura de tudo o que foi depositado e se decompôs no local, ou uma mistura de turfa limosa com alguns materiais fibrosos.

Antes de colher a amostra, você deverá decidir o que deseja descobrir e, em seguida, dependendo da composição da turfa (principalmente limosa, principalmente fibrosa ou uma mistura), decida qual fração do material será a mais apropriada para a sua pesquisa. Também é importante considerar a quantidade de amostra a ser enviada ao laboratório – ou seja, a quantidade de amostra vertical que deverá ser retirada da parte principal e se ela deverá ser retirada apenas nos pontos de contatos ou onde há mudanças de fácies (início / separação dos marcadores de deposição, etc.)

Em geral, os restos de plantas resistentes ou decompostas são os melhores materiais para a datação por radiocarbono pois os mesmos permitem que se faça pré-tratamentos adicionais (extrações de alcali), para remover quaisquer ácidos húmicos mobilizados que estejam presentes. Caso não sejam removidos, os ácidos húmicos poderão afetar o resultado, geralmente levando a uma idade mais recente. Isso pressupõe que os restos de plantas não contêm raízes intrusivas (longarinas) que tenham crescido a partir de camadas superiores de turfa.

Em alguns casos, dependendo da consistência, a turfa limosa pode ser tratada com uma substância alcalina. Visto que o limo costuma ser composto de principalmente ácidos húmicos e algumas huminas, as extrações com substâncias alcalinas podem ou não ser tão eficazes em turfas limosas como seria com a matéria vegetal.

Sempre que possível, é melhor extrair restos de plantas que você sabe que foram depositados in situ e enviá-los para a datação por radiocarbono. Se isso não for possível ou prático, você poderá enviar a amostra inteira e, no laboratório, a mesma será peneirada para extrairmos todas as diferentes frações presentes e os devidos pré-tratamentos serão feitos. Em seguida, enviaremos fotografias ao cliente dos macrofósseis disponíveis para a datação por radiocarbono. O cliente decidirá quais materiais serão datados.

Quando os pesquisadores não têm certeza de qual é a fração que irá produzir o melhor resultado, os mesmos optam por datar a fração fibrosa (macrofóssil vegetal) e a fração limosa separadamente para comparar os resultados. Isto pode ser útil se o investigador suspeita que materiais intrusivos foram depositados ou se o sistema em questão é uma área de deposição de alta energia e/ou se o limo é transportado para dentro e para fora do material fibroso.

Se você não tem certeza de quanta turfa deve ser enviada, você poderápreparar diferentes porções da amostra como um todo e orientar-nos a datar primeiro a amostraA. Caso não seja suficiente, poderemos datar a porção B, C, D e assim por diante. Isto permite que um pesquisador analise a menor porção possível de deposição para obter a data mais precisa, visto que, em alguns casos, ao adicionarmos cada vez mais camadas, fazemos com que a idade relatada seja um período médio de deposição e não a data do evento em questão, o que representa um resultado mais preciso.

Peats são tratados da mesma forma para sedimentos orgânicos, com a principal diferença é que os ácidos húmicos pode ser mais de um problema com amostras de turfa. Em geral, a turfa será peneirada e flutuada entre 125 a 180 micra para remover e isolar macrofósseis (planta, casca, etc.). Se macrofósseis são encontrados em quantidades suficientes, eles serão pré-tratados de acordo com o tipo de material (tipicamente ácido / alcalino / ácido).

A não ser que sejamos instruídos de outra forma, nós reteremos a fração de sedimentos / muck e após a conclusão entraremos em contato com você com opções para datação por radiocarbono. Se tiver algum pedido especial sobre a fracção que deseja datar ou se gostaria de datar ambos, por favor indique isso na folha de dados.

As turfas sujas só podem passar pelos pré-tratamentos de lavagem ácida para garantir a ausência de carbonatos. O pré-tratamento alcalino, aplicado para garantir a ausência de ácidos húmicos, geralmente requer a presença de matéria vegetal. A turfa frequentemente contém frações fibrosas, sujas e sedimentos. Elas costumam ser separadas durante o pré-tratamento. Frequentemente, as frações fibrosas recebem o pré-tratamento alcalino, ao contrário das frações com sedimentos.

Se você souber qual é a melhor fração para análise por radiocarbono, ou se a combinação das duas frações é a melhor opção, favor indicar isto no formulário de dados.

Apesar de ser altamente variável em sua composição, a turfa é formada principalmente de matéria orgânica. Há duas formas de datar amostras de turfa, dependendo do tipo:

1 – Turfa siltosa

As turfas siltosas que não contêm macrofósseis geralmente podem ser datadas quando a fração passa pela lavagem ácida para remover os carbonatos. Em seguida, a massa de matéria orgânica é datada. Às vezes também podemos aplicar um extrato alcalóide para remover o ácido húmico, mas isso depende do tamanho e se a turfa siltosa de granulação fina não dissolver na solução alcalina.

2 – Turfa fibrosa

Este tipo de turfa é mais comum e costuma ser uma mistura de lodo de granulação fina e restos de plantas decompostas (ex. pedaços de materiais carbonizados, carriços, juncos, etc). Nesse caso, o material fibroso ou os diferentes macrofósseis costumam ser extraídos e recebem uma série completa de tratamentos ácidos e alcalinos para remover os carbonatos e ácidos húmicos antes de serem datados.

Independentemente do tipo de turfa enviada, isolamos a fração necessária, aplicamos o pré-tratamento adequado e, em seguida, entramos em contato com o cliente para explicar o que pode ser datado em cada amostra.