AMS dating groundwater

Datação por radiocabono de carbono orgânico dissolvido (DOC) em água doce

Tamanho de amostra recomendado 
1L (por favor contate o laboratório antes de enviar amostras)
O laboratório somente aceita amostras filtradas (a 0,7 mícrons ou menos) com concentração mínima de DOC de 5.0 mg/L. Se a concentração de DOC é desconhecida, por favor informe o laboratório.
Por favor entre em contato antes de enviar amostras menores do que o volume recomendado.
Serviço disponível
AMS Standard – resultados em 30 dias úteis
Recipiente recomendado
Frasco de vidro âmbar que permita um espaço mínimo entre a boca e o gargalo; recomenda-se o frasco de vidro âmbar de boca estreita com tampa selada.
OBSERVAÇÃO: No momento, APENAS oferecemos a análise por 14C de DOC em amostras de água doce. Oferecemos análises por 13C de DOC em água doce e salobra.
Por favor NÃO realize o pré-tratamento de amostras com quaisquer químicos.

Observação – As taxas incluem medições de d13C, relatórios de garantia de qualidade, e acesso permanente a resultados anteriores e análises pendentes. Uma taxa adicional é cobrada para a requisição de medições dos isótopos estáveis oxigênio-18 e deutério.

É importante nos avisar se sua amostra de água contém sal, ou se esteve nas proximidades de qualquer lugar que trabalhe com 14C artificial.

Os recipientes de coleta e/ou transporte deverão ser novos e nunca utilizados anteriormente para quaisquer fins.

O Beta Analytic não aceita amostras que tenham sido tratadas com cloreto mercúrico (HgCl2) ou azida de sódio (NaN3). Não temos as capacidades de descarte para essas substâncias tóxicas.

Coleta de amostras

 
  1. Certifique-se de coletar as amostras na profundidade que você está a estudar.

  2. Frascos do tipo Nalgene poderão ser empregados para a coleta de amostras, mas o vidro é preferível e altamente recomendado para o armazenamento por longo prazo.

    Tanto frascos de plástico quanto de vidro deverão ser higienizados previamente com um banho de 10% ácido clorídrico (HCl) e enxágue de água deionizada (DI) para remover possíveis contaminantes. Frascos de vidro também deverão ser aquecidos a 450˚C por 6 horas para melhor garantir a ausência de contaminantes.

  3. Encha o frasco completamente com a água da amostra pelo menos 2 vezes antes de coletar a amostra definitiva, com o auxílio de um filtro de água. Utilize um filtro com poros de tamanho entre 0.2 e 0.7 μm. Se a amostra não estiver filtrada, há o risco da assinatura de DOC se alterar durante seu transporte.

  4. Encha o frasco com o mínimo de espaço de gargalo possível.

  5. Se as amostras forem armazenadas por qualquer período de tempo, deverão ser refrigeradas a 3-5˚C (37-41˚F).

  6. Sele o espaço entre o frasco e a tampa com fita para evitar troca de dióxido de carbono (CO2) com a atmosfera durante o transporte.

Outras recomendações

  • Por favor marque a parte externa do frasco com a identificação da amostra, de forma legível e com tinta à prova de apagamento ou etiqueta inviolável.
  • É útil medir o pH, salinidade, e concentração de DOC antes do transporte, mas não é obrigatório.
  • Não adicione quaisquer químicos às amostras de água durante a coleta, inclusive ácidos ou compostos comuns de preservação de amostras.

Se possível, as amostras deverão ser enviadas resfriadas ou frias (NÃO congeladas). Gelo reutilizável de primeiros socorros são ideais para esse propósito; eles garantem que as amostras não se aqueçam demais durante o transporte.

Antes de serem colocados dentro de caixa térmica ou de papelão para o envio, os frascos deverão ser colocados e selados dentro de um saco plástico. Utilize material suficiente para acolchoar a caixa e evitar que os frascos se rompam.
OBSERVAÇÃO: O Beta Analytic NÃO RETORNA amostras de água, frascos ou recipientes.

Recomendamos o uso de couriers comerciais ou correios registrados de primeira classe para o envio de amostras até o laboratório. Por favor envie um email para informar o nome do courier e número de rastreamento para que possamos acompanhar o envio do pacote.

O carbono orgânico dissolvido (DOC) é a maior reserva de matéria orgânica e de carbono reduzido nos oceanos, com o tamanho parecido ao do CO2 da atmosfera (Beaupré 2007). O DOC é também encontrado em ecossistemas terrestres e tem um papel importante no ciclo de carbono global, parcialmente por causa de sua habilidade de transportar carbono entre diferentes reservas nos ecossistemas (Kolka 2008). O DOC pode originar de fora do ecossistema (carbono atmosférico, transporte de longa distância) ou de dentro do ecossistema (plantas/micróbios ou solos/sedimentos), e níveis mais elevados de matéria orgânica não são incomuns em ambientes com níveis mais baixos de oxigênio, como pântanos (Bruckner 2016).

A medição de radiocarbono em DOC é uma ferramenta útil para a identificação das fontes de processos cíclicos de DOC em águas naturais, tanto em água subterrânea quanto marinha (Xue 2015). Enquanto as idades absolutas por si podem oferecer informações sobre as fontes do carbono contido no DOC, elas poderão ser mais úteis quando combinadas com informações adicionais, como medições de 13C ou de outros isótopos estáveis de nutrientes como fosfato ou nitrato. Isso se deve ao papel do DOC em ciclos nutricionais e disponibilidade em ecossistemas.

Junto com outros nutrientes presentes no ecossistema, as medições de radiocarbono e isótopos estáveis em DOC permitem um panorama mais completo sobre a saúde do ecossistema. Quando as amostras são coletadas ao longo de um transecto em uma bacia hidrográfica, área de agricultura, etc., os dados poderão ser usados para quantificar as contribuições da reserva de DOC de fontes de carbono tanto antigas quanto modernas, determinar a qualidade da água, e, por fim, determinar o impacto em um ecossistema em particular. Como exemplo, uma área prístina e com baixo impacto nos Everglades da Flórida terá uma idade por radiocarbono moderna, ou próxima a moderna, o que indica uma contribuição relativamente baixa de fontes “antigas” de carbono, como depósitos de turfa, e contribuições altas de fontes modernas, primariamente a absorção de CO2 atmosférico por plantas C3 de alagados nativos (Stern 2007).

Referências:

  1. Beaupré, S. R., Druffel, E. R., & Griffin, S. (2007). A low‐blank photochemical extraction system for concentration and isotopic analyses of marine dissolved organic carbon. Limnology and Oceanography: Methods, 5(6), 174-184.
  2. Kolka, Randall, Peter Weishampel, and Mats Fröberg. Measurement and importance of dissolved organic carbon. Field measurements for forest carbon monitoring. Springer, Dordrecht, 2008. 171-176.
  3. Stern, J., et al. Distribution and turnover of carbon in natural and constructed wetlands in the Florida Everglades. Applied Geochemistry 22.9 (2007): 1936-1948.
  4. Xue, Y., Ge, T., & Wang, X. (2015). An effective method of UV-oxidation of dissolved organic carbon in natural waters for radiocarbon analysis by accelerator mass spectrometry. Journal of Ocean University of China, 14(6), 989-993.
  5. Monica Z. Bruckner (2016). Measuring Dissolved and Particulate Organic Carbon (DOC and POC) (accessed September 2019)